Luiz Gustavo Guimarães - Curso de Oratória, Consultorias e Palestras

Chega de ser medíocre. Nunca mais faça a capa do trabalho.

Entenda porque muitas pessoas não evoluem. Veja como a mudança de determinados hábitos podem lhe trazer benefícios e ter o reconhecimento profissional tão desejado.

Por Luiz Gustavo Guimarães dia em Blog

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Você sabe por que as coisas não funcionam às vezes pra você? Porque você continua cometendo os mesmos erros.

Chega de ser medíocre, pare já de fazer a “capa do trabalho”.

Olá, sou Gustavo Guimarães e estou aqui pra dizer o quanto esta referência de fazer a capa do trabalho, pode impactar em sua vida, tornando-a mediana. Veja o que fazer para mudar este cenário e atingir melhores resultados.

Primeiro, vamos nos lembrar da época de escola, você tinha um grupinho para fazer os trabalhos e provavelmente existia alguém que não fazia nada. E se você não lembra deste aluno, pode ser que tenha sido você então.

Este aluno, não fazia, mas pedia pra colocar o nome dele no trabalho e como você não achava isso justo, até incluía o nome, mas pedia uma coisa, para ele (ou ela) pelo menos fazer a capa do trabalho, se lembrou? Era uma forma de compensar, era o mínimo, para que os demais integrantes (do grupo) não ficassem tão bravos pela pessoa não ter feito nada, então esta pequena tarefa era solicitada.

E outra, se no dia da entrega, tal pessoa faltasse, não iria ter grandes problemas, pois a capa, você poderia fazer ali mesmo na sala de aula, antes de entregar para a professora.

Em outras palavras, fazer a capa do trabalho, faz de você, alguém irrelevante. Significa que não passa confiança, credibilidade, sua tarefa pode ser feita por qualquer um, não é tão importante quanto de fato o conteúdo do trabalho.

Tá bom Gustavo, mas muita gente já passou por isso na escola, o que isso tem a ver com o meu trabalho?

Pois bem, a partir deste exemplo, perceba se você não continua fazendo no seu trabalho, as tarefas mais fáceis, se você não está se conformando com aquilo que passam pra você, que qualquer um possa fazer, se as pessoas não estão lhe passando tarefas insignificantes apenas pra que não fique à toa, apenas para “mostrar um pouco de serviço”.

Muita gente, fica se vangloriando porque trabalha menos que o colega e ganha a mesma coisa, muitos pensam e verbalizam em alto e bom tom, uma das frases mais mesquinhas para um profissional (independente da área): “Eu não ganho pra isso.” – Talvez você conheça alguém assim, mas se for você, esta pessoa, há tempo pra mudanças, reveja seus valores, pare de fazer apenas o básico, ou nem isso, não estou dizendo pra trabalhar feito louco ou se tornar um robô, mas se almeja uma posição elevada, se busca reconhecimento profissional, ser bem visto entre os colegas, pare de se conformar com a “capa do trabalho”.

Interaja, se coloque à disposição, pare de ser medíocre, pense no coletivo, ajude as pessoas, se preciso fique um pouco mais, chegue um pouco mais cedo, se prometeu, cumpra, mas faça de coração, não adianta fazer só pra ganhar tapinhas nas costas de “bom trabalho”, mude sua forma de pensar, tenho certeza que isso fará de você não só um profissional melhor, mas certamente, um ser humano mais agradável.

Independente de salário maior, promoção, prêmios no trabalho ou foto de funcionário do mês na parede, antes disso, você pode terminar o dia, mesmo que seja exausto, mas ainda assim, com um sorriso no rosto, pensando: “Hoje valeu a pena, ajudei alguém e isso me fez um ser humano melhor”.

Sou Gustavo Guimarães e fico por aqui, caso queira mais dicas como esta, continue conferindo no blog. (Minha sugestão, leia também o artigo "Foco".)

Abraço e sucesso em sua carreira.

.

Ah e outra coisa, preparei um e-book para melhorar a forma como se comunica com as pessoas, o "Fale em Público Já".

BAIXE AQUI O SEU E-BOOK GRATUITAMENTE

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui: