Luiz Gustavo Guimarães - Curso de Oratória, Consultorias e Palestras

Se for falar de abacaxi, conheça a feira toda.

No que diz respeito a sua apresentação em público, lembre-se, você não está mais no primário para dividir o seu tema com os "coleguinhas".

Por Luiz Gustavo Guimarães dia em Blog

Se for falar de abacaxi, conheça a feira toda.
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Agora você deve estar achando que eu “pirei de vez”, não é mesmo? Há há, nada disso. Esta é uma frase, aparentemente simples, mas que poderá te orientar e muito, sobre como aprendemos errado certas coisas e como isso nos prejudica e continuamos ignorantes com relação a certos temas, sem perceber, é claro.

Primeiro, se lembre comigo, como você dividia temas para apresentações na escola (que muitos repetem na faculdade, TCC e trabalho), grupos de 4 ou 5 integrantes, pesquisavam o assunto, dividiam em páginas equivalentes, “estudavam” e no dia marcado, iam à frente da sala, já preocupados, porque um dos componentes faltou e precisaram dividir de última hora, a parte do mesmo. Pois bem, cada um falava um pouco e na maioria das vezes, saiam com a sensação de que tudo foi um “fiasco”, torcendo para que ninguém (principalmente o professor) perguntasse nada.

Neste singelo exemplo, vimos que na maioria das vezes, ninguém do grupo, tinha domínio absoluto do tema, claro que um poderia se destacar por falar bem, mas era como se todos tivessem em sua cabeça, um grande sinal de interrogação (como se fosse em um desenho animado), ou seja, falar de um tema, simplesmente por falar, por nota, por “obrigação”, mas o que realmente quero destacar aqui é que, nós aprendemos errado.

Quando se tem um assunto para multiplicar aos demais, não podemos simplesmente dividir entre os integrantes, porque assim, sempre ficamos “reféns” um do outro e quando alguém falta ou somos surpreendidos por algum imprevisto, ficamos inseguros e comprometemos o resultado.

Por isso, quando eu digo que: “para falar de abacaxi, você deve conhecer a feira toda”, quero dizer que na verdade, o nosso compromisso é estar muito bem amparado, inteirado, ter domínio do assunto e de tudo que ele envolve, aí sim, escolhemos uma parte disso, o que consideramos mais importante para passar aos demais, simples assim, e não o contrário.

Nada de fazer como na escola, isso é o que os amadores fazem. Você não pode ter contato com o tema e ainda assim, dividir com outros algo que você não sabe. Você pode e deve estudar, se preparar e sempre verificar quem tem mais facilidade, quem gostaria, quem poderia ficar com cada parte, mas é dever de todos os componentes da apresentação saber o que será abordado.

Não confunda apresentação em grupo (onde as pessoas se ajudam, pois conhecem o todo), com apresentações individuais que as pessoas vão juntas à frente, se considerando grupo. Tá errado.

Para finalizar, quero deixar como exemplo, um bom vendedor de aparelho celular. Quando você pretende comprar um e tem dúvidas, sobre duas ou três marcas (ou modelos), naturalmente pergunta ao vendedor: “Mas qual a diferença, entre eles?” – E ele, prontamente te responde, passando as características de cada e dentro do seu objetivo, o melhor “custo x benefício”, mas note, ele falou dos que você perguntou, porém, na loja, deve existir pelo menos uns 20 tipos, fora outros eletrônicos e acessórios. Isto significa que ele falou pra você do “abacaxi”, mas tem propriedade, porque conhece a “feira toda”.

Bom, eu fico por aqui, te desejo muito sucesso e boas falas. Continue no blog para outros artigos como este, caso tenha gostado. Minha sugestão é que leia agora: "Cuidado, 3 atitudes que destroem sua fala."

Ah, e claro, você pode baixar grátis o e-book que preparei para você: Fale Em Público Já, agora mesmo e melhorar o quanto antes a sua comunicação.

clique aqui e baixe grátis o e-book.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui: